domingo, 7 de fevereiro de 2010

Grávida aos 16 anos

Republicando...



Ellen Page e Michael Cera em cena de Juno/Fox Film.
Vale a pena ver! Leve tic-tac sabor laranja...


A adolescente recorre a dois litros de suco para conseguir xixi suficiente para o terceiro teste de gravidez. A cena caracteriza bem o misto de sagacidade e inocência da protagonista.

Diante da gravidez inesperada, Juno (Ellen Page) se vê entre as duas alternativas clássicas: praticar o aborto ou ter o bebê sem preparo para criá-lo. Opta por uma terceira via: entregar a criança para adoção e, assim, levar alegria a algum casal que não possa ter filhos. É como se reunisse todas as suas forças para enfrentar corajosamente aqueles nove meses, com todos os conseqüentes encargos, tais quais os olhares tortos dos colegas de escola. Focaliza, no período da gestação, a energia que despenderia em toda uma vida de mãe. É sua maneira de lutar por sua juventude, sem negar a responsabilidade por seu ato.

Seu pai e madrasta apóiam a decisão de Juno. Há quem possa julgar: por que não se propõem a ficar com a criança? Mas, considere-se, com base na razão, que não foi uma escolha deles. No pai da criança, o garoto Bleeker (Michael Cera), colega de escola de Juno, a adolescente encontra conforto e descobre o amor. E é inevitável, à certa altura do filme, não pintar ao menos uma pontinha de torcida para que fiquem juntos, os dois e o bebê. Mas isso não seria idealizar a facilidade do “felizes para sempre”?

Quanto aos prováveis pais adotivos, surpresas. Eles incorporam a imagem do casal perfeito, mas escondem, de si mesmos, algumas poeirinhas embaixo do tapete. Mark (Jason Bateman) sente que Vanessa (Jennifer Garner) limita seu espaço. Ela o percebe mais imaturo do que o imaginava. São apenas humanos. Como se diz em Literatura, são personagens redondas, e não planas (todas do filme, aliás). Nem heróis, nem vilões. Mas, se Juno, em parte, se encanta com a jovialidade de Mark, ao que parece, sua balança penderá para Vanessa, símbolo de um processo de amadurecimento que dura nove meses.

Juno e Bleeker tocam e cantam juntos, como se estivessem começando ali uma vida. Certamente, ficaram marcas. Ela diz mais ou menos o seguinte: sabe que a ordem natural das coisas é apaixonar-se primeiro, depois, reproduzir-se; mas com ela aconteceu o contrário. Nem certo nem errado. Só um fato, narrado com extrema delicadeza.

Juno, produção independente dirigida por Jason Reitman, recebeu indicação para 4 Oscars (Melhor Filme, Direção, Atriz, Roteiro Original) e tem sido comparado a Pequena Miss Sunshine. Vamos torcer para que leve algumas estatuetas.

Postado no meu blog do UOL em: 05/02/2008

2 comentários:

  1. Comentários recebidos...

    [Rodrigo] [rodrigo22oliveira@yahoo.com]
    Ainda não fui ao cinema conferir 'Juno', mas quero muito. Mais até pelas comparações a 'Pequena Miss Sunshine', que é um dos meus filmes prediletos. Bjs.
    11/02/2008 12:00

    [Lucas Pretti] [lucaspretti@gmail.com] [http://cubomagicoblog.wordpress.com]
    Oi, ex-professora! Parabéns pelo blog (coloquei no meu "blogroll"), tenho gostado das críticas de cinema, apesar de não ter visto "Juno" ainda. Pelo trailer, torço pelo Oscar para Ellen Page. Aliás, estou blogando também: Cubo Mágico. Passe por lá. Um beijo, saudade e mande um beijo para essa saudosa Bauru...
    06/02/2008 18:50

    [Liliane] [lilianeunesp@ig.com.br]
    Querida, também assisti a Juno e adorei o filme, principalmente a atuação da pequena notável Ellen Page. Parabéns pelo blog, um beijo!
    06/02/2008 14:54

    ResponderExcluir
  2. ja vi este filme ele é muito bom !

    ResponderExcluir