sábado, 1 de maio de 2010

Alice in Wonderland



A crítica da Veja não gostou de "Alice no país das maravilhas", de Tim Burton. A da Folha de São Paulo achou o filme moralista e decepcionante pela "pouca imaginação" (FSP, 23/4/2010). Mas o crítico Ricardo Calil enfatiza que Burton é um autor, no amplo sentido da palavra, e conclui: "um filme equivocado de um autor é mais relevante do que uma boa produção de alguém que não tem tal título" (FSP). Provavelmente, o Chapeleiro Maluco também não é o melhor papel de Johnny Depp. Concordo com o crítico em que: 1. o visual do filme é "arrebatador"; 2. Em Alice, "Burton adota aquele tom aventuroso meio genérico, de sucessivas perseguições e batalhas".
O autor e a temática tinham mais a explorar em termos de introspecção, mergulho nas mentes das personagens. E, sim, se aquele é o mundo das maravilhosas, como será um universo sombrio?
Mas está valendo. Até então, é a maior bilheteria da Disney.

Nenhum comentário:

Postar um comentário