sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Dias em Londres



Segue um relato de nossos dias em Londres, para inspirar a nós e aos amigos em viagens futuras

Veja também algumas DICAS GERAIS para a chegada em Londres

DIA DE TRAJETO = mesmo chegando cansadinhos do aeroporto, deu para aproveitar o jantar. Comi meu primeiro fish and chips no “The Earls Court Tavern”, gostei. Também passamos num supermercado para comprar água e mais alguma coisinha. E descobrimos o caixa de pagamento automático, superlegal! Você mesmo passa o código de barras, põe o dinheiro na máquina, pega o troco. Tudo na base da confiança. É Londres, bem. 

DIA 1 (ter 3/7) = LONDRES
Para começar a entrar no clima londrino de Reis e Rainhas, fomos ver a troca de turno da Guarda Real no Palácio de Buckingham. Começa às 11h, mas precisa chegar antes para pegar um bom lugar. Adorei tanto que eu queria ver de novo outro dia, mas não deu. Descer na estação de metrô Victoria. Ah, em Londres sempre chove. Se não chove, não é Londres. No meio do caminho, comprei o meu “guarda-chuva britânico” numa lojinha de souvenir. Dele, sobrou o tecido e uma carcacinha, mas foi extremamente útil em Londres!




     Entrando no clima londrino


Após o evento, do palácio caminhamos por um parque e tivemos nosso primeiro contato com os prédios do parlamento, o famoso Big Ben, a Trafalgar Square. Caminhamos até a Abadia de Westminster e pegamos a fila para comprar ingresso e entrar (anda rápido). Amei! No meu diariozinho, anotei as coisas que me chamaram mais a atenção: Poets’ Corner; Nave; Memorial do Soldado Desconhecido. Peninha que não podia tirar foto. Nesse começo de viagem, já descobrimos duas coisas básicas: 


1) para aproveitar bem o tempo, “almoçaríamos” muito dentro de museu. Quantos passeios seriam perdidos se fôssemos atrás de restaurante! É uma questão de tempo. E tem que comer o que tem. Na abadia, eu achei um arrozinho temperado que curti. Começaria a saga do Ronaldo com os baguetes de museu, rsrs!!!

2) eu lotaria minha mala de livros. Tudo é tão emocionante que dá vontade de levar para casa. Como você não pode levar o museu ou o castelo ou a igreja, leva um pouco da história e das imagens nos belos livros ilustrados. E, como não dá para enfiar tudo na mala (lembrando que iríamos de trem a outros destinos antes da volta), de cara me dei conta de que abriria mão de qualquer outra coisa, mas não dos livros.

À noite, fomos para a região de Piccadily e Soho, que é bem animada e cheia de pubs. Achamos um que combinava mais com “meu estilo”, algo entre pub e restaurante, o St. James Tavern. Considerando que muitos almoços seriam na base da “baguete de museu”, precisávamos de um lugar para jantar, não só para beber. Tem coisas muito gracinhas nessa região, como a lojona do M&M, onde comprei o bonequinho dos doces caracterizado como soldado inglês. 

      Primeiro dia... a troca da Guarda + Abadia


DIA 2 (qua 4/7) = LONDRES
Dedicamos esse dia a dois museus próximos (chegamos até eles a pé, a partir do hotel). Ambos gratuitos! Londres tem muitos ÓTIMOS museus gratuitos, é uma festa!
+ Museu de História Natural
+ Victoria & Albert Museum (V&A) = “Talvez o melhor e maior museu de arte e desenho”, segundo um dos vários guias que eu li. Além de toda a beleza e história, estava tendo uma exposição de moda. Eu trouxe um livro sobre a Grace Kelly.
O guia que li também apontava que seus dois cafés eram boas opções para o almoço. E comemos nossa baguete de museu (e olha que essa estava saborosa e sem casca dura, viu!) no maravilhoso jardim do V&A. Dá para reclamar do cardápio? 




      V&A - Devo dizer que esse foi um dos momentos mais especiais (embora tenham sido tantos...)

De lá, pegamos o metrô e fomos para outro museu Free, a belíssima National Gallery, em frente a Trafalgar Square. E estávamos muito cansados para aproveitar o museu da maneira como ele merecia! (Nota: voltar lá some day!). Mas mantive os olhos bem abertos sobre os pés exaustos. É lá que está o Renoir equivalente ao falsinho que eu tenho em casa.
De lá, fomos ver o Big Ben pelo ângulo do Tâmisa! Tâmisa, Tâmisa, Tâmisa! Quando eu te vi, lindão, esqueci que eu estava tão cansada...



Passamos pela London Eye e fomos até a região de South Bank.
Eu queria ver os “três edifícios icônicos entre as pontes de Waterloo e Hungerford”, segundo um dos guias lidos. São eles: Royal Festival Hall, Queen Elizabeth Hall e The Hayward, que compõem o Southbank Centre. 
À noite, fomos jantar ali na região do nosso hotel e escolhemos a olho (e disponibilidade) o “Prince of Teck”. Comi fish and chips again... “Hand-battered fresh fish and chips with pea purée and tartare sause”.


DIA 3 (qui 5/7) = LONDRES
Voltamos ao Palácio de Buckingham para ver a exposição de joias do Jubileu da Rainha Elizabeth. Por que valeu MUITO a pena: além das joias, a exposição incluía visitação a uma parte interna do palácio. A exposição foi demorada, deu fome e adivinha o que almoçamos? Baguete do palácio, kkkk... Ronaldo já não aguentava mais a falta de variedade do cardápio, mas curtiu o sorvete da Rainha e estava todo feliz com a vitória do Corinthians na Libertadores. 
Fomos para o hotel tomar um banho, pois tínhamos um compromisso bem legal às 17h! O chá das 5 na Fortnum & Mason, no salão reinaugurado pela rainha (Diamond Jubilee Tea Salon).
Atenção: reservar a casa de chá previamente pelo site! Fazer isso antes de viajar. O pagamento é feito no local.

A casa de chá foi dica de uma amiga que também estava planejando viagem (por isso que é legal compartilhar!). Foi uma das coisas de que mais gostei (volto, repito!), bem clima inglês. Adaptei-me muito bem aos costumes ingleses e logo passei a gostar de um pouco de leite no chá! Recomendo super!
Como ainda estava claro (a vantagem do verão), demos uma volta pela Oxford Street, rua de lojas (Metrô Marble Arch). Mas não achei nada muito bacana por lá, não... De lá, pegamos o metrô para um lugar chamado Notting Hill... (e a livraria "do Hugh Grant" existe mesmo!)

A noite, Ronaldo, coitado, comprou um lanche com “relish” que não recomendo pra ninguém. Nem eu que gosto de molho gostei desse, viu! O cara me falou que era molho de tomate, mas era um ketshup com cebola bem picante. (E o Ronaldo odeia molho!). Mas o dia já tinha sido tão perfeito!

DIA 4 (sex 6/7) = LONDRES
Manhã dedicada ao Museu de Cera Madame Tussauds. Compramos o ingresso na véspera, na lojinha do metrô e, com isso, economizamos uma filona.
Passamos rapidamente pelo Regent’s Park (Queen Mary’s Garden), mas sem explorar muito.
À tarde, fomos conhecer o Parque Olímpico. Almoçamos no Shopping ali do Parque Olímpico.
Depois, ainda fomos conhecer a região do Winblendon e o museu Tate Modern. E, por fim, uma bela caminhada na ponte do Tâmisa. Bela mesmo, apreciando o pôr do sol das 21h de verão! Eu me apaixonei por todo pôr do sol...


       E dá para não apaixonar?

DIA 5 (sab 7/8) = LONDRES
Dia de visitar o estádio Chelsea. Compramos ingresso antecipado pelo SITE.
Depois, o lindo Kew Gardens (oficialmente: Royal Botanic Gardens)
Ainda encontramos fôlego para ver algo que faltava: Tower of London!
Que linda, uma das melhores vistas de Londres...


      Da London Tower, vista para a London Bridge, com anéis olímpicos



DIA 6 (dom 8/7) = Trajeto LONDRES a PARIS
Domingo era dia de despedir-me de Londres. E isso só não poderia ser tão triste porque estaria a caminho de Paris. De Eurostar...

Faltou ver coisas "imperdíveis", como o British Museum (maior, tem mais coisas do Egito, Grécia e Roma) e o super-recomendado Imperial War Museum. Porque 6 dias não são suficientes para Londres. Um convite para retornar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário