terça-feira, 7 de agosto de 2012

Louvre e Restaurante 58 Tour Eiffel

Paris - o Dia 3

O Louvre, a Torre...

Nesse dia, tínhamos um compromisso agendado para a noite. Então, para não cansar tanto, dedicamos o dia “só” ao Louvre. Não é à toa que o Louvre é o maior museu do mundo, ele é realmente incrível!

Do nosso hotel, era possível caminhar a pé até o Louvre. Mais uma vez, nosso Paris Museu Pass foi útil: pegamos fila especial e rápida, ou seja, entramos no Louvre logo que abriu, às 10h e, seguindo as mais sábias dicas, começamos pela Monalisa, que vai ficando cada vez mais concorrida ao passar do dia. Como se sabe, não é possível conhecer profundamente o Louvre em um único dia, tão rico ele é. Fomos passando por tudo, parando em algumas coisas, eu me encantando com muitas... A ala de Napoleão me fascinou pela suntuosidade. Almoçamos no Louvre, no Café de Piramyde, cujas opções vão além da baguete! Fiquei enlouquecida na grande livraria.



DICA: aproveite o dia do Louvre para deliciar-se por alguns instantes nos Jardins des Tuilleries, que ficam ali grudadinho. Namorei o jardim um pouco antes e um pouco depois do Louvre. Fofo!

Das muitas obras que me chamaram a atenção, achei esta muito singela, um amor mãe-filha:


Madame Vigée-Le Brun e sa fille, Jeanne-Lucie-Louise, dite Julie (1789) 

Passamos para comer macarrons da Fauchon (Já leu isso antes? Rsrs) e voltamos para o hotel para nos arrumarmos para o nosso compromisso... Nada mais, nada menos do que um jantar na Torre Eiffel!

Ainda no Brasil, compramos um jantar para casal no Restaurante 58 Tour Eiffel, para as 21h do dia 11/7 (chegar 45 minutos antes para o elevador). Foi sorte conseguirmos lugar, pois descobrimos o SITE bem em cima da hora (é por isso que estou compartilhando as dicas!). Já não tinha mais lugar para o restaurante do segundo andar, o Jules Verne. Para o 58, só havia disponibilidade para o cardápio mais sofisticado, que valeu a pena por incluir uma bela vista da janela para o Trocadero. Confesso que ponderei se eu deveria mesmo gastar com esse jantar (os reis precisam de tantos jardins?!?!), mas, como alertou o maridex, “é Paris, é seu sonho, clica logo no botão, antes que não tenha mais disponibilidade”. Agradeço ao apoio dele! Foi o momento mais surreal da minha vida... Chegar de barco, pelo Sena, para jantar na Torre Eiffel. Quantas vezes um fato como esse se repete em uma vida?


      Do Rio Sena para o Restaurant 58 Tour Eiffel...



E estávamos dentro da Torre quando ela se iluminou e começou a cantar...

      I can't take my eyes of you, sua linda!!!


Simplemente inesquecível... E indizível, embora eu tente aqui rememorar com palavras.
Amanhã, conto sobre o quarto dia...

Nenhum comentário:

Postar um comentário