quinta-feira, 30 de junho de 2011

Direitos da Mulher!

Artigo meu no JC de hoje, 30/6/2011.
O fato ocorreu nesta semana.
Érika

30/06/2011
Direitos da mulher
O Brasil acaba de reconhecer legalmente o casamento homossexual e ainda possui tantas marcas de desigualdade de gêneros. Deparei-me com uma delas ao comparecer ao Poupatempo com a simples finalidade de atualizar meu RG, que ainda era o de adolescente. Entreguei toda a documentação e, para minha surpresa, o atendente rasurou o meu RG antigo (antes mesmo que eu tivesse o novo em mãos). Perguntei o porquê: “é um procedimento padrão”, ouvi. Com espanto, argumentei: “mas meu marido renovou o dele há uma semana e não houve rasura. Qual a explicação?” O atendente chamou a supervisora que, meio constrangida, deu a explicação: “Porque você é mulher. Nosso Código Civil mudou - atualmente, tanto o homem quanto a mulher podem ou não alterar o sobrenome ao casar. Mas nossas regras ainda são antigas”.

Não importa o fato de querer ou não preservar um RG de adolescência (irrisório, diante de problemas da vida), mas fiquei chocada com o simbolismo em questão. Não alterei meu sobrenome. Respeito a escolha de cada um(a), mas não compreendo gestos de mão única se os sentimentos se vivem a dois. Amar não é mudar de identidade. Acho lindo o sobrenome de meu marido, Schiavone, mas sou simplesmente Érika de Moraes, aquela que ele escolheu amar e vice-versa. Somos casados no civil e religioso, sob o testemunho das sábias palavras de Padre Beto: “O amor não é a fusão de duas metades, mas é a aproximação de dois inteiros.” (Relato do casamento em meu blog: http://liquimix.blogspot.com/2011/02/e-nos-casamos.html).

Relevo muitas coisas: pessoas duvidarem de que sou casada devido ao sobrenome pequeno (e daí?), outras me julgarem por eu ser casada e não ter batedeira em casa. Podem rir, é cômico mesmo: qual a relação entre amor e batedeira? Mas não vou deixar de relatar, no intuito de despertar a atenção da sociedade, o que ouvi: “Porque você é mulher”. E ouvi mais: “Se seu marido comparecesse aqui com a certidão de nascimento, esta seria aceita. No seu caso, apenas a de casamento.” Ora, como isso seria possível, se o cartório reteve a certidão de nascimento de ambos ao substituí-la pela de casamento? Qual a lógica da diferença no aceite da documentação, se, hoje, meu marido e eu carregamos o mesmo número de registro civil?

Meu tema efetivo não é papel, mas a dignidade dos gêneros. Minha tese de doutorado abordou os discursos sobre a mulher. Em vários congressos nos quais apresentei trabalhos, ouvi: “Mas a sociedade mudou”. Mudou mesmo. A mulher conquistou o direito de votar (o que é historicamente muito recente) e temos uma Presidente eleita. Mas os ranços se revelam nos pequenos gestos simbólicos e esses ainda têm muito a evoluir.

No meio profissional, sou cercada por mulheres fortes e líderes. E ainda mães. E ainda belas. Mesmo assim, na sociedade, percebo o quanto uma atitude sensível é desprestigiada diante de uma racional, como se o modelo de perfeição devesse ser relacionado ao padrão supostamente masculino. Por muitos momentos, tive o ímpeto de defender a licença-paternidade de pelo menos um mês, para que o homem também pudesse usufruir desse momento em família, como ocorre em alguns países. Mas encontrei um contra-argumento prudente em Susan Pinker (O Paradoxo Sexual, Editora Best Seller): no exemplo acadêmico, mulheres em licença amamentam e cuidam dos filhos, enquanto homens aproveitam esse tempo para publicar artigos e livros, o que só aumenta a desigualdade.

Nossa sociedade não está preparada para a igualdade. Sugiro atenção às regras sociais arbitrariamente constituídas. Se você, mulher, é aprovada em concurso público, pode lhe ser solicitado um exame de papanicolau para admissão; pergunte se ao homem será exigido o exame de próstata. Quantas rasuras ainda serão necessárias para que as identidades de homens e mulheres sejam reconhecidas em suas especificidades, mas equivalentes em termos de direitos e deveres?



A autora, Érika de Moraes, é jornalista e doutora em Linguística pelo Instituto de Estudos da Linguagem (IEL/Unicamp), tendo defendido a tese “A representação discursiva da identidade feminina em quadros humorísticos”. Tese disponível para download: http://migreme.net/1c1v
Érika de Moraes

11 comentários:

  1. Mesmo com os avanços na Constituição, os julgamentos morais e a herança social ainda prevalecem. Infelizmente.
    Aline Leão

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo texto e pela iniciativa, Érika!
    =)
    Vivian Lourenço

    ResponderExcluir
  3. Muito bom, Érika. Muito mesmo.
    Só uma observação: é Presidenta... rsrsrsrs

    Sírio Possenti

    ResponderExcluir
  4. Muito bom texto, Érika. Parabéns!
    Bjo,
    Sonia Benites

    ResponderExcluir
  5. nossa, excelente!
    parabéns, Érika.

    bjos
    Marcela

    ResponderExcluir
  6. Erika, parabéns pelo artigo.
    Ótimo texto, bons argumentos e muita sensibilidade.

    Orgulho!
    Bjo
    Gabi Besson

    ResponderExcluir
  7. Oi, Érika,

    Adorei o seu artigo, maravilhos. Parabéns!
    Abraço,
    Anna Flora.

    ResponderExcluir
  8. Muito lúcido o seu texto, Érika! Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Erika,

    Li a coluna que vc assinou ontem no JC e achei muito legal, oportuno, reflexivo e importante enquanto alerta. Já passei por algo semelhante e manifestações como a sua só ajudam as mulheres a se valorizarem mais. Parabéns!! Fiquei orgulhosa e até comentei com meu marido que vc é minha colega de trabalho.

    beijos,

    Vitória

    ResponderExcluir
  10. Muito bom, Érikinha!
    Bjos da amiga
    Fá Mique

    ResponderExcluir
  11. Belíssimo texto, Érika. O mais bizarro é que eu reproduzido muitas vezes o modelo que, teoricamente, combato. Exemplo: se minha sogra visita minha casa, quem sai desesperada arrumando todo e qualquer pedacinho do apartamento? Eu. Porque é de mim que isso é cobrado e eu, para não ouvir, acabo cedendo.
    Quando era criança, minha mãe me cobrava tarefas domésticas, mas não fazia o mesmo com meus irmãos homens. Ao mesmo tempo, me incentivou muito a estudar para "não depender de homem" e não ter que justamente ficar em casa fazendo serviços domésticos...
    Beijo,
    Ana Coli

    ResponderExcluir