domingo, 7 de fevereiro de 2010

VIVER... Apesar de. Além de!

Por quê?
Por que nascemos para amar, se vamos morrer?
Por que morrer, se amamos?
Por que falta sentido
Ao sentido de viver, amar, morrer?
(Drummond)

Esses versos de Drummond abrigam a essência dos mais profundos questionamentos humanos. Lembro-me de ter associado essas palavras do poeta ao que diz Clarice Lispector em seu belo “Uma aprendizagem ou o Livro dos Prazeres” – livro em que a autora subverte a pontuação, iniciando-o com uma vírgula e terminando-o com dois pontos: a história é como a vida, não termina nem começa nos limites de um livro. Ulisses, o personagem-filósofo de “Uma aprendizagem...”, parece ter um “rascunho de resposta” para os questionamentos de Drummond:

"Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para a frente. Foi o apesar de que me deu uma angústia que insatisfeita foi a criadora de minha própria vida."
(Clarisse Lispector, dando voz ao personagem Ulisses, em "Uma aprendizagem ou o Livro dos Prazeres"

Talvez! Devamos viver, apesar de que vamos morrer. Viver, amar e morrer, apesar da falta de sentido do viver, amar e morrer. Houve um tempo em que concordei com essa “resposta”. Mas o tempo passou e descobri que vivo além de. Apesar de é pouco. Quero bem mais que o apesar de. Quero ultrapassar. E VIVER... além de! A vida, que não é banal. A vida, intensamente a vida! Além do apesar de. A vida além de! Vida cheia de emoções. Emoções verdadeiramente vividas. A plenitude, o pulsar da vida.

Postado no meu blog do UOL em: 14/4/08

Um comentário:

  1. Comentários recebidos:

    Oi Érika, obrigado pela visita ao meu blog de contos! Eu acompanho seu blog esporadicamente. Não havia visto o texto sobre o Sweeney Todd, por exemplo. Mas recebo seus e-mails e leio desde o começo (aliás fiquei decepcionado com o Como Fazer um Filme de Amor, esperava muito de um cara como o Torero). Também adoro a Maitena, aliás leio muita HQ argentina. Sobre esse texto, penso muito no assunto, mas acho que vivo mais o "apesar de..." no dia-a-dia. Claro, preferia que fosse diferente. Fascinante essa idéia da Clarice Lispector para o começo e fim do livro, eu nunca me liguei nela, mas muita gente tem me chamado a atenção para ela. Valeu, um abraço.
    Daniel Souza Luz | danielsouzaluz@gmail.com | humanoobsoleto.blogspot.com | 16/04/2008 14:22

    Érika, adorei o "Viver além de"!! Essa frase me fez pensar em ... VIVER COM, VIVER JUNTO A, VIVER PARA, VIVER EM, VIVER POR... VIVER POR QUÊ? ;) Bjinhos
    Mári | magasri@hotmail.com | 14/04/2008 22:02

    ResponderExcluir